Home Empreendedorismo Negócios para 2020: tendências de mercado para o próximo ano

Negócios para 2020: tendências de mercado para o próximo ano

Tendências de negócios 2020

Por Fernanda Carvalho
20 de dezembro | 5 min. de leitura

Veja 7 ideias de negócios lucrativos que vão continuar em alta

Todos os anos o mercado lida com os novos  hábitos dos consumidores, que hoje têm mais acesso à informação através da internet durante o processo de decisão de compra. Eles também se tornaram mais infiéis, porque a oferta de produtos e serviços da concorrência está mais criativa, exclusiva e variada. 

Para acompanhar as mudanças de hábitos dos consumidores e se adequar aos novos padrões de consumo, selecionamos sete negócios para 2020 que podem servir de inspiração para o seu empreendimento.

1. Clubes de assinatura

Esse mercado movimenta R$ 1 bilhão de reais por ano no Brasil. Nos Estados Unidos os clubes já faturam US$ 10 bilhões anualmente, segundo o jornal Correio Braziliense.

Clubes de assinatura fazem parte da cultura dos consumidores brasileiros há muitos anos, desde os jornais e revistas impressos de alguns anos atrás. A diferença é que o comportamento dos clientes diante o uso crescente da internet, aumentou essa possibilidade.

Hoje existem Clubes de assinatura para todos os gostos, segue alguns exemplos:

  • Assinatura de Livros
  • Clube de assinatura nerd
  • Materiais de papelaria
  • Doces
  • Itens de beleza
  • Vinho
  • Assinatura caixa surpresa

Os consumidores escolhem os produtos ou simplesmente recebem uma “surpresa” em sua casa regularmente, com produtos selecionados pelo próprio empreendedor, que tem de antemão o perfil dos clientes.

2. Economia compartilhada

Também chamada de Economia Colaborativa, ela substitui a aquisição definitiva de um produto por bens ou serviços temporários. Esse setor permite que os consumidores tenham acesso ao mesmo padrão de vida, mas de uma forma mais econômica.

Sugestões de Compartilhamento:

  • Aluguel de eletrodomésticos
  • Roupas
  • Bicicletas
  • Carros
  • Dogwalker: serviço de passeios e cuidados voltados para os cães, enquanto os donos estão fora viajando ou trabalhando

3. Alimentação saudável

Nos últimos anos o objetivo de ter uma vida saudável vem aumentando, as pessoas buscam essa meta tanto nas atividades físicas quanto numa alimentação mais leve e natural.

O Brasil ocupa o 4º lugar em consumo de alimentos saudáveis no ranking global de acordo com a agência internacional de pesquisa de mercado Euromonitor. Ainda sobre o levantamento, o setor cresceu 12,3% ao ano nos últimos cinco anos e fechará 2019 com crescimento de 50%, movimentando R$110 milhões.

4. Mercado Pet

Um dos segmentos mais lucrativos do mercado, os números de produtos e serviços especializados são muitos: comidas, roupas, produtos de limpeza, atendimento veterinário e até terapias e festinhas para cães.

Um segmento flexível e lucrativo: até o final de 2019 o faturamento desse mercado será de R$36,2 bilhões, segundo o estudo do Instituto Pet Brasil publicado pela Época Negócios.

5. Beleza e Estética

Segundo estudo feito pela Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC), o setor de beleza e estética tem crescido 567% no país nos últimos 5 anos. Houve também um salto no número de profissionais, de 72 mil profissionais para 480 mil. A expectativa para 2020 é um crescimento acima de 14%.

São diversas especialidades para trabalhar nessa área, como cuidados com o cabelo, make, tratamentos de pele, barbearias, manipulação com cílios postiços, Design de sobrancelha ou produtos e serviços específicos para bronzeamento.

A análise feita pela Euromonitor Internacional aponta que já são 500 mil salões de beleza formais no Brasil e até em 2021 a expectativa de aumento é de 4,5%.

Os homens também ocupam uma importante fatia desse mercado, segundo dados divulgados pela Exame, esse setor praticamente dobrou nos últimos 5 anos e houve um crescimento de 30% no faturamento de cosméticos masculinos.

6. E-commerce

No primeiro semestre desse ano o setor de e-commerce faturou R$26 bilhões, segundo a  40ª edição da pesquisa WebShoppers, da e-Bit/Nielsen. Ainda de acordo com a pesquisa da WebShoppers, a previsão é fechar 2019 com um aumento de 12% no faturamento do comércio online brasileiro, ou seja, R$50 bilhões aproximadamente. A porcentagem da população que faz compras com frequência na internet no país é de 36%.

A sua loja virtual deve atrair a atenção do consumidor. Informar a descrição completa do produto e ter imagens de boa qualidade, são os primeiros passos a serem seguidos. Segundo estudo feito pela Lett, Startup de tecnologia especialista em Trade Marketing Digital, o uso de mais de 3 imagens de um produto, aumenta a taxa de conversão em 20%.

Também um dos grandes desafios do e-commerce é o tempo de entrega e manter o estoque mínimo de produtos através da média de vendas é fundamental para evitar atrasos no envio.

7. Microfranquias

Abrir uma franquia é menos arriscado que investir em um novo negócio do zero, a taxa de mortalidade das microfranquias no primeiro ano é de apenas 3%, enquanto essa porcentagem chega em 23% nos pequenos negócios.

Os segmentos mais econômicos, com capital inicial de R$2.900,00, segundo pesquisa feita pela revista Pequenas Empresas e Grandes Negócios e Serasa Experian, são:

  • Ensino de idiomas
  • Cultura e lazer
  • Veículos
  • Serviços Gerais

E aí? Descobriu qual segmento mais se identificou? Veja qual modelo é mais acessível para a sua realidade econômica e, claro, analise qual área você mais gostaria de trabalhar em 2020. Bons negócios!

POPULARES

Como vai funcionar o Pix para empresas?

O Pix começa a valer nesta segunda-feira, 16 de Novembro

Telegram: Por que você precisa conhecer melhor?

O que tem por trás do aplicativo de mensagens ainda pouco usado, mas em constante crescimento? Veja também nessa matéria algumas de suas funcionalidades e principais diferenças em relação ao Whatsapp.

Coronavírus: como ficam as Micro e Pequenas empresas em meio à crise

Com muitos estabelecimentos fechados e pessoas evitando sair de casa, as ruas estão vazias e os pequenos empreendedores já estão vendo o impacto disso na lucratividade.

NFC-e Minas Gerais: 9 perguntas e datas para a exigência da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

A SEFAZ de Minas Gerais divulgou novos prazos para a obrigatoriedade do uso da NFC-e, a última data é dia 1º de Setembro de 2020. Todos os estabelecimentos precisam estar atendo para não correr riscos de serem penalizados.