Home Controle Financeiro Como vai funcionar o Pix para empresas?

Como vai funcionar o Pix para empresas?

Por Fernanda Carvalho
13 de Novembro de 2020 | 6 min. de leitura

O Pix é um dos assuntos mais comentados e pesquisados nos mecanismos de busca e é muito provável que você já deve entender mais ou menos como vai funcionar. Saiba as principais informações que você precisa saber e como vai funcionar na sua empresa.

1) O que é o Pix?

O Pix é uma nova forma de pagamento instantânea que vai tornar as transações financeiras mais práticas, rápidas e seguras, criada pelo Banco Central (BC) e entrará em vigor a partir desta segunda-feira, 16. Mas antes do lançamento, o BC liberou para alguns clientes de bancos e fintechs homologadas a fase teste no dia 3/11. E desde o dia 5/10 as instituições liberaram o pré-cadastro das chaves Pix aos seus clientes.

2) O que são as chaves Pix?

São formas de identificação para realizar uma transferência, por exemplo. Você cadastra as chaves no seu banco ou outra instituição de pagamento, pelo aplicativo ou Internet banking. As chaves poderão ser:

  • CPF ou CNPJ
  • N° do celular
  • E-mail 
  • Um sequência aleatória de números e letras

O mesmo usuário vai poder cadastrar uma chave distinta para cada instituição diferente. Por exemplo, você pode cadastrar o CPF no banco A e o E-mail no banco B e assim sucessivamente.

3) Qual a diferença entre o Pix e outros meios de pagamento?

O Pix é um tipo de pagamento assim como boleto, TED, DOC, transferências entre contas de uma mesma instituição e cartões de pagamento (débito, crédito e pré-pago).

A diferença é que o Pix permite que qualquer tipo de transferência e de pagamento seja realizada em qualquer dia, incluindo fins de semana e feriados, e em qualquer hora. Além da transação ser muito mais rápida, em apenas 10 segundos.

4) Como vou receber o pagamento dos meus clientes pelo Pix?

O empreendedor irá receber os pagamentos dos seus clientes através de uma das chaves Pix cadastradas ou através de QR Codes (Quick Response Code, ou código de resposta rápida).

O cliente só precisa de um dispositivo móvel conectado à internet, sendo assim, não tem necessidade de usar cartões, cédulas, maquininhas, etc. Os pagamentos podem ser feitos de diferentes formas:

QR Code:

  • QR Code na mão do cliente:

    Basta imprimir um QR Code e deixar ele visível no seu ponto de venda para que o cliente possa fazer o pagamento com o Pix e lê o QR Code direto do celular. O comerciante ou o próprio cliente pode digitar o valor da compra, assim facilita a compra de valores diferentes.  Vale, por exemplo, para um lojista, com um QR Code no seu balcão, esperando para ser lido pelo cliente.
  • QR Code diferente para cada compra:

    Um QR Code será gerado para cada compra, de acordo com os itens e a quantidade que ele pega. Vale para supermercados e restaurantes, por exemplo.

Pagamento através de uma das chaves:

  • Identificação por meio de CNPJ:

    O comerciante também pode optar por receber o pagamento através do seu CNPJ, caso ele esteja cadastrado como chave Pix. Dica: informe em lugar visível as instruções para pagamento, assim o seu cliente saberá como pagar através do Pix. Vale para microempreendedores individuais, por exemplo.
  • Identificação por meio do n° do celular:

    O estabelecimento orienta o cliente a usar o número do celular como método de identificar o recebedor na hora do pagamento. Vale para empresas que atendem delivery em aplicativos de mensagens ou prestadores de serviço autônomos, por exemplo.

5) Pix para empresas tem custo?

Confirme com a instituição financeira ou de pagamento em que você tem conta se haverá tarifas para a sua empresa, pois a cobrança da taxa está autorizada pelo BC. 

Mas, lembrando que o Pix é um modelo com menos intermediários e as plataformas centrais são providas pelo Banco Central, então o custo de aceitação é menor que outros meios eletrônicos.

Somente pessoas físicas e empreendedores individuais estão isentos da cobrança tarifária.

6) Se sou comerciante e aceito outras formas de pagamento que usam QR Code, vou precisar gerar QR Codes diferentes para o cliente?

Não. O QR Code do Pix segue o padrão estabelecido pelo BR Code, um padrão estabelecido desde Outubro de 2020 para todos os arranjos de pagamentos integrantes do Sistema de Pagamentos Brasileiro, que tem o QR Code como modelo de pagamento. 

Portanto, o seu cliente poderá utilizar o mesmo QR Code para fazer pagamentos através do Pix ou outros meios, como o PicPay ou Ame Digital, por exemplo.

7) Quais as principais vantagens para o meu negócio?

O empreendedor vai contar com diversas benefícios ao utilizar o Pix, segundo o BC:

  • Redução da necessidade de crédito;
  • Melhor gestão do fluxo de caixa;
  • Certeza de pagamento na data correta;
  • Redução do prazo de entrega de produto;
  • O custo de aceitação é menor dos demais meios eletrônicos;
  • Notificação de confirmação de recebimento;
  • Facilidade de automatização e de conciliação de pagamentos;
  • Facilidade e rapidez de Checkout.

8) Em caso de fraude o cliente será ressarcido?

​Caberá ao prestador de serviço de pagamento a análise do caso de fraude e o eventual ressarcimento, a exemplo do que ocorre hoje em fraudes bancárias. 

Esses tipos de transações atuais são seguras, mas podem ocorrer algumas falhas de segurança: “Essas transações atuais, assim como o PIX, possuem controles rigorosos de cibersegurança, porém, isso não impede golpes e fraudes, visto que ainda resta o fator humano”, explica Caio Telles, engenheiro de Software e CEO da BugHunt.

Para Telles os bancos devem investir em segurança de dados para manter as informações de seus clientes seguras.

É importante saber também que as transações por meio do Pix são protegidas pela Lei n° 105/2001, do Sigilo Bancário, e também pela Lei Geral de Proteção de Dados (n° 13.709/2018).

Via Banco Central

POPULARES

Como vai funcionar o Pix para empresas?

O Pix começa a valer nesta segunda-feira, 16 de Novembro

Telegram: Por que você precisa conhecer melhor?

O que tem por trás do aplicativo de mensagens ainda pouco usado, mas em constante crescimento? Veja também nessa matéria algumas de suas funcionalidades e principais diferenças em relação ao Whatsapp.

Coronavírus: como ficam as Micro e Pequenas empresas em meio à crise

Com muitos estabelecimentos fechados e pessoas evitando sair de casa, as ruas estão vazias e os pequenos empreendedores já estão vendo o impacto disso na lucratividade.

NFC-e Minas Gerais: 9 perguntas e datas para a exigência da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

A SEFAZ de Minas Gerais divulgou novos prazos para a obrigatoriedade do uso da NFC-e, a última data é dia 1º de Setembro de 2020. Todos os estabelecimentos precisam estar atendo para não correr riscos de serem penalizados.